O iPhone de Diana Quer foi descriptografado com a ajuda de Cellebrite

celebrite

Existem muitas teorias e suposições sobre o iPhone da desaparecida Diana Quer. Até que finalmente soubemos que oficialmente A Guarda Civil, com ajuda, foi capaz de descriptografá-lo totalmente para acessar as informações que ele contém. É possível, como já aconteceu em outras ocasiões, que o smartphone não contenha informações úteis.

Mas é normal que demore tanto para desbloquear um telefone? Se a Apple se gaba de algo, entre muitas outras coisas, é a segurança demonstrada por seus dispositivos. E que os dados armazenados no iPhone estão, em qualquer caso, protegidos de terceiros. 

É tão difícil desbloquear um iPhone?

No início, as notícias que nos chegaram sobre o dispositivo encontrados foram encontrados em um estado muito deteriorado. Tanto que seria impossível recuperar quaisquer dados do smartphone danificado. Mas parece que, além de seu mau estado, as autoridades espanholas encontraram outros problemas adicionais.

Embora depois de dois meses submerso em água salgada, o iPhone pode ser irrecuperável usando qualquer tecnologia. Prevaleceu também a necessidade de obter dados que pudessem esclarecer um dos maiores desaparecimentos na mídia do ano. E depois de obter informações sobre as últimas conversas do WhatsApp na primeira instância, elas foram insuficientes.

O caso é que IPhone de Diana Quer, um iPhone 6 em iOs 8, tem sido difícil decifrar. Tanto é que, um ano após seu desaparecimento, a Guarda Civil anunciou o desbloqueio do aparelho. E isso é devido ao algoritmo usado pela Apple para a criptografia de seus dispositivos. Algo praticamente invulnerável, mesmo para o serviço de criminalística da Guarda Civil Espanhola.

A Apple se protege de facilitar o acesso de seus telefones a terceiros, viola o acordo de confidencialidade com seus usuários. E isso já aconteceu várias vezes. Quem não se lembra do litígio entre a Apple e o FBI?. Na ocasião, a Apple se recusou a descriptografar o iPhone do terrorista responsável por um tiroteio em San Bernardino. E antes da recusa do Cupertino, o FBI foi forçado a ir para uma empresa externa.

A Guarda Civil Espanhola chegou a Cellebrite

A empresa israelense que conseguiu descriptografar o iPhone 5c do terrorista de San Bernardino ajudou a Guarda Civil nesta ocasião. O iPhone de Diana Quer, um iPhone 6, é muito mais difícil de descriptografar. Mesmo para a Cellebrite, que afirma ser a única empresa capaz de desbloquear um iPhone, a tarefa demorou meses.

De modo que antes da oferta nula de colaboração da Apple, Celebrite foi, mais uma vez, quem conseguiu descriptografar um iPhone. As autoridades encontrarão informações importantes para a investigação? E mais uma vez a Apple com sua atitude volta a alimentar os debates sobre proteção de dados. Uma privacidade resguardada com tanto zelo que complica até mesmo investigações que poderiam levar ao paradeiro, no caso, do dono de um de seus aparelhos.

A proteção de dados deve ser regulamentada por leis a esse respeito?. É muito comum dizer que gostamos que nossos dados estejam seguros. Que nossos smartphones são seguros. Ou que gostaríamos que nossos dispositivos fossem, como afirma a Apple, anti-hacking. Mas em qualquer caso? Em qualquer situação? Não seria interessante estabelecer limites para essa proteção de dados em casos excepcionais?

celebrite

Cellebrite coloca a segurança da Apple à prova novamente

Mesmo sem ter transcendido se o desbloqueio do iPhone servirá para esclarecer em algum aspecto a investigação. É o menos contraditório que o bloqueio de um telefone impeça a localização do seu próprio dono. E embora os dados recuperados após a intervenção de Cellebrite possam ou não lançar luz sobre um caso complicado. Isso não deve ser um obstáculo para os pesquisadores. E é alarmante que ou o estado ou um indivíduo tenha que destinar recursos para esse fim em casos dessa natureza.

Em suma, se graças a Cellebrite você puder saber mais sobre o desaparecimento de Diana Quer, sem dúvida terá valido a pena. Mas se forem descobertos dados que poderiam ter salvado sua vida de alguma forma, quem será o responsável? O fato é que a maioria de nós, usuários de smartphones, aposta na alta segurança de nossos aparelhos. Mas é claro que não a todo custo.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Blog da Actualidad
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Jose Luis Bulpe Sáiz dito

    Porque é crime e se justifica que seja para esclarecer outro crime