A Comissão Europeia sanciona o Google com 2.420 milhões de multa por abuso de posição dominante

Era uma questão de tempo e, finalmente, o tempo passou e as previsões se cumpriram. A Comissão Europeia acaba de sancionar o Google com a maior multa da história, 2,420 milhões de euros que terão que enfrentar por abuso de posição dominante em seu serviço de comparação de compras online.

Além disso, o gigante da tecnologia Você tem 90 dias para interromper seu estágio. Pelo contrário, enfrenta uma nova multa igual a 5% da receita diária global da Alphabet, a empresa-mãe do Google.

Anos de investigações culminando em uma multa multimilionária contra o Google

Em abril de 2015, e após cinco anos de investigações, a Comissão Europeia enviou ao Google uma nota de objeções que um ano depois, em julho de 2016, foi ampliada, reforçando as conclusões deste órgão europeu. De acordo com a Comissão Europeia, O Google tirou vantagem de sua posição dominante para favorecer sistematicamente seus próprios serviços de comparação de preços nas páginas de resultados de pesquisas.. Isso é o que se tornou um 'abuso de posição dominante'.

De acordo com pesquisadores da Comissão Europeia, O Google manipulou artificialmente os resultados para favorecer ou impor seus próprios produtos, prática que tem impedido os cidadãos europeus, sempre de acordo com este órgão, “de verem os serviços que melhor se adaptam às suas necessidades e às suas pesquisas”.

O Google desenvolveu muitos produtos e serviços inovadores que mudaram nossas vidas. Isso é bom. Mas a estratégia do Google para seu serviço de comparação de preços não era apenas atrair clientes, tornando seus próprios produtos melhores do que os de seus rivais. Em vez disso, o Google abusou de sua posição dominante no mercado como mecanismo de busca para promover seu próprio serviço de comparação de preços nos resultados de busca e prejudicar os concorrentes. O que o Google fez é ilegal. Ela negou a outras empresas a oportunidade de competir por seus méritos e inovar. Mais importante ainda, negou aos consumidores europeus uma escolha genuína de serviços e todos os benefícios da inovação., Margrethe Vestager, Comissária Europeia para a Competição que pode ver na imagem do cabeçalho.

Para chegar a essas conclusões, pesquisadores analisaram grandes quantidades de dadosincluindo 5,2 terabytes de resultados de pesquisa do Google, bem como pesquisas, dados financeiros, dados de tráfego para demonstrar visibilidade em pesquisas, pesquisas, experimentos e muito mais.

Uma estratégia clara

Assim, a Comissão Europeia conseguiu demonstrar qual era a estratégia da empresa. Embora 90% da receita da empresa seja produto da publicidade, Em 2004, o Google decidiu entrar no negócio de comparação de compras. Isso foi feito por meio de um serviço que foi inicialmente batizado de "Froogle", renomeado em 2008 como "Google Product Search" e voltou à popularidade em 2013 com o nome Google Shopping, que se mantém até hoje.

Esse serviço facilita ao internauta a busca e comparação de preços de produtos em todos os tipos de lojas, porém, en um documento interno, a empresa reconheceu que "o Froogle simplesmente não está funcionando."Portanto desde 2008 mudou sua estratégia, colocando-se em uma posição melhor e artificial e sistematicamente a seu serviço.

Uma das táticas mais utilizadas foi atrasar a competição, isto é, fazer com que seus resultados apareçam na segunda e nas páginas sucessivas de resultados, onde os usuários normalmente não chegam. Tanto que a Comissão Europeia aponta em seu relatório que "as evidências mostram que mesmo os rivais mais bem classificados aparecem, em média, apenas na quarta página de resultados dos buscadores".

Assim, "O Google deu a seu serviço uma vantagem significativa sobre seus rivais" Enquanto os estudos realizados até agora mostram que os dez primeiros resultados mostrados na primeira página de resultados do Google recebem cerca de 95% de todos os cliques (apenas o primeiro leva em média 35%), enquanto que já o primeiro da segunda página atinge apenas uma média de 1%.

A maior multa por práticas anticompetitivas

A sanção imposta de 2.420 milhões de euros ao Google por abuso de posição dominante é a maior multa aplicada até agora. É praticamente o dobro das sanções impostas a outros gigantes da tecnologia como a Intel ou a Microsoft no passado. Até agora, o recorde pertencia à multa aplicada em 2016 aos cinco gigantes da indústria camionária: 3.000 milhões de euros à DAF, Volvo-Renault, MAN, Iveco e Daimler, também por práticas anticoncorrenciais.

Reação do Google

A gigante da tecnologia já reagiu à sanção imposta. Foi através de seu vice-presidente e advogado, Kent Walker, que afirma que "eles respeitosamente discordam das conclusões anunciadas", enquanto "revisaremos a decisão da Comissão em detalhes e consideraremos um recurso, e continuaremos defendendo nosso caso.

Kent walker

Embora o abuso de posição dominante não seja uma prática ilegal de acordo com as leis antitruste, a Comissão Europeia observou que grandes empresas têm uma responsabilidade especial portanto, não devem abusar de sua vantagem, limitando e restringindo a concorrência.

Como apontamos no início, 90 dias que começam a contar hoje são aqueles que o Google tem para "pôr fim ao seu comportamento". Para persistir em sua atitude, pode enfrentar uma multa igual a 5% da renda mundial diária da Alphabet.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Blog da Actualidad
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.